Duas cidades de Alagoas registram os maiores acumulados de chuvas do Brasil em 24 horas – A Noite é Nossa
AlagoasDestaques

Duas cidades de Alagoas registram os maiores acumulados de chuvas do Brasil em 24 horas

São Luis do Quitunde, na região Norte de Alagoas, foi onde mais choveu, com 51,22 milímetros no período analisado

Duas cidades alagoanas registraram os maiores acumulados de chuvas do Brasil, entre às 9h desta terça (2) e as 9h desta quarta-feira (3). São Luís do Quitunde, na região Norte de Alagoas, foi onde mais choveu, com 51,22 milímetros. Em segundo lugar, aparece Palmeira dos Índios, no Agreste de Alagoas, com 36,2 milímetros. Os dados são do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Portos de Pedras, no litoral Norte de Alagoas, aparece no ranking em sétimo lugar. Por lá, choveu 32 milímetros. Em nono lugar, aparece Coruripe, no litoral Sul, onde choveu 27,6 milímetros.

Desde a madrugada de terça (2), Alagoas tem registrado fortes chuvas. Pontos de alagamentos também foram registrados pelo estado. Nesta quarta (3), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) estendeu o aviso de acumulado de chuvas em Alagoas. A previsão era de chuvas até a manhã de hoje, mas, agora, os municípios do estado podem registrar temporais até esta quinta (4). Pelo menos 28 cidades estão em alerta de grande perigo.

Segundo o instituto, Barra de Santo Antônio, Campestre, Colônia Leopoldina, Coqueiro Seco, Flexeiras, Ibateguara, Jacuípe, Japaratinga, Joaquim Gomes, Jundiá, Maceió, Maragogi, Marechal Deodoro, Matriz do Camaragibe, Messias, Murici, Novo Lino, Paripueira, Passo de Camaragibe, Porto Calvo, Porto de Pedras, Rio Largo, Santa Luzia do Norte, São Luís do Quitunde, São Miguel dos Milagres e Satuba integram o alerta vermelho (grande perigo).

A previsão é de chuva superior a 60 mm/h ou acima de 100 mm/dia, com risco de “grandes alagamentos, transbordamentos de rios e grandes deslizamentos de encostas”.

Também há 26 cidades em alerta de perigo e 35 em perigo potencial. No primeiro, o aviso aponta para o risco de alagamentos, deslizamentos de encostas e transbordamentos de rios em cidades com áreas de risco.

Hebert Borges

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: